Práticas incomuns de recrutamento


Você já foi surpreendido por alguma pergunta inesperada durante um processo de seleção? O designer Pedro Henrique já. Em uma matéria publicada na BBC News Brasil, ele relata que quiseram fazer seu mapa astral na entrevista. "Fui entrevistado pelo próprio dono. Ele me fez muitas perguntas profissionais, sobre minha experiência na área e sobre a minha universidade. Mas depois ele começou a fazer perguntas mais pessoais e quis saber qual era o meu signo", afirma o jovem.


Infelizmente, não foi uma situação isolada. Outras pessoas já relataram passar por situações parecidas na mesma loja em que o jovem fez o processo de seleção. "Um amigo me contou que uma conhecida dele fez estágio nessa loja e disse que o dono perguntava sobre os signos das pessoas porque ele não contratava ninguém de touro", revela.


Para quem é da área, essa é uma prática que, definitivamente, não deveria acontecer. Marco Tulio Zanini, professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e pesquisador em Comportamento Organizacional, é categórico no tema. "Seja um profissional de recursos humanos ou o proprietário de um estabelecimento, considerar um signo ao avaliar um trabalhador é absolutamente errado. É completamente inadequado. Isso fere a meritocracia. Entra em uma espécie de determinismo astrológico", diz.


Até mesmo especialistas de astrologia são contra esse tipo de critério em processos seletivos. A astróloga Paula Belluomini, diretora da Sociedade Internacional para Pesquisa Astrológica, reforça que a avaliação deve passar por outras questões, e a do signo não é uma delas. "A avaliação de uma pessoa para uma vaga de emprego deve ser baseada em entrevistas e provas. Devem ser levados em consideração, principalmente, experiência profissional e testes psicológicos que venham a avaliar a habilidade emocional e psíquica do indivíduo", aponta.


Tendo esse cenário em vista, é importante que os donos de empresas verifiquem como os processos seletivos estão sendo conduzidos e, sobretudo, garanta que os profissionais são capacitados para isso. Afinal, isso pode comprometer a reputação do próprio negócio.


Se você é candidato de algum processo e desconfiou de alguma pergunta, não deixe de pesquisar e falar com especialistas da área. Lembre-se que algumas perguntas podem configurar discriminação e devem ser prontamente denunciadas.


E por aí, já viveu alguma situação parecida? Compartilhe conosco nos comentários!


4 visualizações0 comentário